• Banner interno

060318-5z1YcGCRwhoD9.jpg

Evangelizar não é para quem quer que seja um ato individual e isolado, mas um ato profundamente eclesial. Nesse sentido quando estamos em missão estamos realizando uma atividade missionária com a Igreja e em nome dela. Fazemos em virtude de um mandato do Senhor que nos enviou para evangelizar, levar a Boa-nova a todos, sempre em comunhão com a Igreja e com seus Pastores.

E qual é a Boa-Nova que anunciamos?

Anunciamos o Reino de Deus. O Reino que nos foi apresentado por Jesus Cristo. É tarefa de evangelização missionária dar a conhecer Jesus Cristo e o seu Evangelho àqueles que não os conhecem. Partir de Pentecostes. A Igreja recebe o Espírito de Deus em Pentecostes e inspirada por Ele, assume todo o conteúdo evangélico por meio de uma atividade complexa e diversificada designada como uma “pré-evangelização” e que hoje denominamos como “querigma”. É o primeiro anúncio destinados aos que nunca ouviram falar de Jesus, mas também às crianças e, igualmente, para multidões de homens e mulheres, jovens e adolescentes que receberam o batismo, mas vivem fora de toda a vida cristã.

A centralidade do querigma requer certas características do anúncio que hoje são necessárias em toda a parte:  Em primeiro lugar falar do amor salvífico de Deus; Um amor que leva à liberdade, respeitando os limites éticos da vida do outro; que seja pautado pela alegria, que ajuda o outro a acolher bem o anúncio na sua realidade. Que haja proximidade, abertura ao diálogo, paciência, acolhimento.

A catequese retira a sua mensagem da Palavra de Deus, que é a sua fonte principal.  A Sagrada Escritura, que Deus inspirou, chega ao mais profundo do espírito humano, mais que qualquer outra palavra, embora ela não se esgota na Sagrada Escritura, porque é uma realidade viva, em ação, eficaz (cf. Is 55,10a11; Heb 4,12a13).

A catequese, através do Palavra anunciada ou re-anunciada, contribui para suscitar a fé e promover o encontro com Jesus Cristo.

Encontramos na Bíblia várias metáforas que fazem referências a Jesus. Hoje podemos nos apropriar de uma de suas metáforas para entender Jesus como “o Caminho”. Vamos fazer memória de um dos encontros catequéticos que a Inês Broshuis fez nos ajudando na reflexão de Jesus como o caminho. Vejamos:

  1. No Antigo Testamento, a Torá é chamada “O CAMINHO”

A Torá, também chamada “A LEI”, é um livro de ensinamentos para os judeus, que indica o caminho para chegar à verdadeira felicidade, assim como Deus a quer para seus filhos. Na Bíblia, há salmos que cantam a beleza dessa lei de Deus (Sl 19 e 119). Vamos ler, agora, a segunda parte do Salmo 19,8-15 e apreciar sua beleza. (tempo para reflexão)

  1. Jesus é a Torá viva

Jesus vivia a Torá, valorizava-a. Quando criticava certos legalismos, ele o fazia justamente para livrar a Torá de uma interpretação errônea. Jesus diz sobre si mesmo: ”EU SOU O CAMINHO” (Jo 14,6). Assim, a Torá continua em Jesus, em toda sua pureza. Jesus mostra o caminho para se viver conforme os mandamentos de Deus e ajuda a encontrar a felicidade. Vamos ler, agora, o capítulo 14, 1-11. (tempo para a leitura)

  1. Os primeiros cristãos eram chamados membros do “Caminho”

Era o nome que se dava aos membros do movimento de Jesus.

No livro Atos dos Apóstolos, Paulo relata sua conversão. No capítulo 22, 4, ele diz: “Persegui até à morte os adeptos deste caminho, prendendo homens e mulheres e lançando-os na prisão.” Ainda em Atos dos Apóstolos 24,22, lemos: “Felix estava bem informado a respeito do Caminho…”.

  1. Jesus é o Caminho que leva ao Pai

Jesus disse: “Eu sou o Caminho, e ninguém chega ao Pai senão por mim” (Jo, 14,6).

Vamos refletir um pouco mais sobre essas palavras.

Quando dizemos que Jesus é o Caminho, geralmente pensamos no seguimento de Jesus, andar no caminho junto com ele, ouvir seus ensinamentos e colocá-los em prática. Mas, no evangelho de João, Jesus diz algo mais: “Eu sou o CAMINHO, e ninguém chega ao Pai senão por mim”. O que ele quer dizer com isto?

Jesus quer dizer: “Se vocês querem conhecer a Deus, nosso Pai, devem olhar para mim, escutar minhas palavras.”

Sabemos que Deus é invisível. Ninguém O viu, nem ouviu. É por meio de Jesus que o Pai se dá a conhecer e nos fala. Dizemos que Deus se revelou em Jesus. Jesus é o porta voz do Pai, Ele é o rosto do Pai. Jesus nos conduz ao Pai. Podemos nos perguntar: Jesus nos leva, realmente, ao Pai, ou ficamos parados em Jesus? Mas, Jesus diz que Ele não é o ponto final. O ponto final é o Pai.

Quando lemos com atenção os evangelhos, vemos como Jesus está sempre voltado para o Pai. Ele O chama de “Abbá” (Papai). Ele procura a vontade do Pai em tudo e quer levar todos ao Pai, fazer descobrir o amor e a misericórdia do Pai, rezar ao Pai. Ensina a oração do Pai Nosso: “PAI nosso…”

Paremos um pouco e reflitamos. Encontramos o Pai que Jesus nos revelou? Ou temos uma imagem de Deus diferente da imagem que Jesus nos revelou? Em nossas orações, nos dirigimos também ao Pai?

A oração do Pai Nosso, ensinada por Jesus, se dirige plenamente a Deus Pai. Vamos rezar, devagar, esta oração prestando atenção nas palavras e na aclamação final

“Pois, vosso é o Reino, o Poder e a Glória para sempre. Amém! (3 vezes)”

Ao anunciarmos o querigma, constituímos uma nova forma de fazer pastoral. Diante da necessidade da missão, a Igreja interpela cada cristão a sair ao encontro das pessoas, das famílias, das comunidades e dos povos para lhes comunicar e compartilhar o dom do encontro com Cristo. Esta é uma urgência que implica no anúncio e reanúncio de Jesus Cristo, possibilitando aos que não o conhecem ou que dele se afastaram ouvir o núcleo da Boa-Nova da Salvação.

Neuza Silveira de Souza

14.11.21