criancas-com-deficiencia.jpg

Certamente você já ouviu comentários como estes:

-Comporte-se como seu irmão! Ele, sim, é um exemplo de menino...

-Você se parece tanto com sua avó. Não tem o que tirar nem por...

-Aqueles gêmeos são tão iguais, que parecem ser a mesma pessoa...

Por que será que se valoriza tanto a semelhança e há tanta dificuldade em tolerar a diferença? Será que ser diferente dos outros é errado? O bom seria sermos todos iguais?

Parece aquela velha história, que se repete ainda hoje: povos que se julgam superiores e consideram os povos diferentes como primitivos, inferiores, sem os quais o mundo ficaria melhor...

O fato é que encontramos dificuldades em conviver com alguém que seja diferente de nós, seja na família, na escola, entre os amigos ou na Igreja.

A diversidade é uma riqueza com a qual Deus presenteou suas criaturas. As diferenças entre as pessoas, povos, culturas e religiões existem para serem conhecidas e valorizadas, não escondidas ou combatidas.

Por outro lado, hoje ouvimos falar muito no direito e respeito às diferenças: pessoais, culturais e/ou religiosas. Porém, quase sempre nos referimos ao outro como se apenas ele fosse ‘o diferente’. Esquecemos que diante dele nós também somos diferentes.      

Lidar com as diferenças nem sempre é fácil, pois exige que reconheçamos nossas limitações, falhas e dificuldades. Por isso, para muitos, o diferente é uma ameaça que deve ser eliminada, em vez de ser visto como oportunidade de aprendizagem e enriquecimento mútuo.

Jesus foi vítima da intolerância às diferenças (Lc 11, 14-15). Porém, mostrou que o Reino se constrói na valorização da diversidade. Basta lembrarmos de seu encontro com a samaritana (Jo 4,7-9) e com os cobradores de impostos (Mt 9,11)

Seguindo seu exemplo, os catequistas e a comunidade devem estar prontos para reconhecer as diferenças entre as pessoas e a aprender com elas por meio do diálogo. Uma boa oportunidade para exercitar o respeito ao diferente é conversar com pessoas de outras religiões.

Quais as dificuldades na relação com o diferente?

Dom Juventino Kestering

In: Livro Catequese de A a Z