rostojesus.jpg

 

O Segundo Mandamento está em continuidade com o Primeiro. Se existe um único Deus, que Jesus nos revelou como Pai amoroso, nós devemos respeitar sua identidade, sem pronunciar seu Santo Nome à toa.

 

Por isso, judeus e cristãos incluíram no Decálogo, esta palavra de amor para com nosso Criador: Não pronunciar o Nome de Deus em vão (Ex 20,7).

 

O Compêndio do Catecismo da Igreja Católica ilustra este mandamento com um texto de Santo Inácio de Loyola: “Não jurar nem pelo Criador nem pela criatura, senão com verdade, por necessidade e com reverência”. Santo Inácio, como todos os santos, falava de Deus com grande respeito, com “acatamento e reverência”, com “humildade amorosa”.

 

Para falar adequadamente de Deus, só Deus mesmo. Os seres humanos costumamos imaginar o Criador como alguém tão alto, tão grande, tão misterioso, que o afastamos de todas as criaturas, incluídos nós mesmos, tornando-o inacessível.

 

Foi necessário que o próprio Deus se encarnasse, viesse até nós, para revelar-nos o quanto Ele está perto de nós. Jesus é o Emmanuel (“Deus conosco”). Ele é o Rosto humano de Deus. Tão humano, tão humano, que assim só podia ser Deus.

“Cristo veio à terra para que todo ser humano se saiba amado” (Roger Schutz). Sabendo-se amado, o ser humano é capaz de amar. Quem não tem consciência de ser amado, não sabe amar.

 

Um fariseu perguntou a Jesus: “Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” Jesus respondeu “Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua vida e com todo o teu entendimento”. E acrescentou um segundo preceito, semelhante ao primeiro: “Amarás teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22,34-40). Os judeus tinham mais de 600 preceitos. Mas Jesus resume todos eles em dois: o amor a Deus e o amor ao próximo.

 

Jesus ensinou-nos a não jurar: "Não jureis de modo algum, nem pelo céu, porque é o trono de Deus, nem pela terra... Seja o vosso sim, sim, e o vosso não, não. O que passa disso vem do Maligno" (Mt 5,34-37).

 

O Segundo Mandamento, como os outros nove, ensina-nos a nos relacionar com Deus e com o próximo. A atitude que devemos ter com o próximo é semelhante à atitude que devemos ter com Deus: respeito, amor e reverência.

 

Uma pessoa é sinceramente religiosa, não pelo fato de falar muito de Deus, mas por falar e agir de tal maneira, que os outros se sintam respeitados e amados por ela. Leia o texto Lc 10,25-37 e examine a sua vida, para ver se você é mesmo uma pessoa religiosa.

 

 

Padre Luís González-Quevedo, sj

Jesuíta, pregador de retiros, escritor

02.08.2013