cadeirante-feliz.jpg

É comum ouvir falar de inclusão:

            .de alunos com necessidades especiais em escolas regulares;

            .de jovens e de adultos acima de 40 anos no mercado de trabalho;

            .de idosos em atividades sociais, etc. 

Porém, a inclusão é a outra face da moeda. Se existe a necessidade de incluir alguém em certo contexto social, é porque nossa sociedade promove a exclusão de tais pessoas. 

Em nossa sociedade, capitalista e neoliberal, só estão incluídas as pessoas que interessam ao poder econômico. Ou seja, só quem é capaz de produzir e de consumir. O restante é deixado de fora. 

Incluir implica, entre outras coisas, deixar de excluir. Na Igreja, assim como na sociedade, tão importante como aprender a incluir é descobrir e combater tudo o que faz com que um número cada vez maior de pessoas seja abandonado à beira do caminho. 

Na catequese, fala-se contra a exclusão e a favor da inclusão. Jesus nos convocou a ir pelo mundo e anunciar o evangelho a toda a humanidade (Mt 16,15). Mas que tipo de pessoas nós permitimos entrar nesse todo? 

Se olharmos à nossa volta, é possível ver os excluídos da sociedade recebendo a boa notícia? Procuramos ser irmãos de idosos, jovens, drogados, pessoas com necessidades especiais, divorciados... Ou usamos a catequese para fazer o contrário do que Jesus pediu, isto é, para excluir ainda mais essas pessoas?

Não só a catequese, mas toda a comunidade deve ser semelhante ao grupo de Jesus, no qual havia espaço para todos que o procuravam para ouvir a boa notícia do Reino, repensar suas vidas e tomar livremente a decisão de viver o reino do Pai. 

Incluir não é só fazer com que as pessoas tenham um espaço físico dentro da Igreja. Muito mais do que isso, é:

            .aprender a respeitar cada um em suas diferenças e necessidades;

            .adaptar o conteúdo e a metodologia da catequese à realidade do outro, que é diferente da nossa;

            .saber ouvir e acolher diferentes experiências de vida;

            .parar de excluir em nome de Deus. 

Quais as principais dificuldades em realizar a inclusão na catequese?

Dom Juventino Kestering

In: Livro Catequese de A a Z