• Banner interno

refugidossirios.jpg

Missão não é fácil, não é simples. Missão não se trata de ser forte, trata-se de ser capaz de sermos frágeis. Trata-se de sermos capazes de sermos frágeis e vulneráveis. Trata-se de assumirmos as nossas dores, cicatrizes e defeitos. Trata-se da nossa capacidade de vestirmos, com coragem e com todo o nosso coração, a nossa vulnerabilidade. Mesmo com medo e com insegurança. Mesmo achando que não somos perfeitos e que nunca vamos chegar, que nunca vamos conseguir. Mesmo que todos os outros pensem que vamos desistir, que não vamos aguentar.

Ser missionário é ser inteiro é ser errante e imperfeito. É ser insuficiente para nós e talvez até para os outro mas nunca para Deus. É ser de menos para o mundo mas não para Deus. É ser imperfeito para o mundo mas não para Deus. É reconhecer que Deus precisa de mim na minha imperfeição, vulnerabilidade e fragilidade, que Deus precisa de mim tal e como sou. Deus precisa de mim como humana frágil capaz de tocar a fragilidade, a dor, e o sofrimento do mundo. Deus precisa de mim, de ti e de nós sem medo de arregaçar as mangas e amar sem medida. Deus precisa de nós capazes de amar cada pessoa tal e como é. Precisa que sejamos capazes de nos vermos como humanos e irmãos na dor e no sofrimento. Precisa de nós capazes de reconhecer que o nosso Deus é um Deus ferido. Precisa que nos lembremos sempre de ver na pobreza, nas feridas, nos erros e nas imperfeições caminhos para o amor e para a misericórdia. 

Talvez tal como nos diz Jana Stanfield não possamos fazer todo o bem que o mundo precisa mas o mundo precisa de todo o bem que possamos fazer sabendo que cada pedacinho do bem que semeamos faz a diferença na minha, tua e nossa vida. Sabemos que somos nós quem nos salva a nós próprios e aos outros. Sabendo que o destino do mundo, do amor e do bem está nas nossa mãos e na nossa capacidade de nos amarmos uns aos outros. O mundo precisa de seres humanos missionários capazes de amar o mundo tal e como é. O mundo precisa de pessoas capazes de amar cada pessoa na sua vulnerabilidade tal e como é.

Paula Ascenção

In: imissio.net 23.09.2019