• Banner interno

 size_810_16_9_menino-sirio.jpg

“Palavra não foi feita para a opressão.

Destino da palavra é o coração”

 

A partir de hoje, na minha série de reflexões sobre a Bíblia, vou compartilhar com vocês o encontro entre o texto bíblico e o nosso cotidiano. Nele, busco encontrar pistas para perceber o que Deus quer nos dizer, hoje, através desse livro milenar. 

O grande destaque no noticiário internacional tem sido a crise provocada pelas ondas de imigrantes que tentam, em desespero, entrar na Europa. 

Eles vêm do Oriente Médio e da África, fugindo das guerras e da miséria nos seus países de origem.

Nesta semana, a imagem do corpo do pequeno menino sírio, afogado no Mar Mediterrâneo, chocou a todos. Ato contínuo, nos jornais deste domingo, vejo fotos de refugiados sendo recebidos com aplausos, comida, roupas e brinquedos, numa cidade austríaca.  

A Áustria é um dos países mais desenvolvidos do globo. Viena, sua capital, foi eleita, pela sétima vez seguida, a cidade de melhor qualidade de vida no mundo.

Quando lá estive, me encantei com suas largas avenidas, onde o moderno convive com a História, os imensos parques, a arquitetura, a onipresença da música clássica. Mozart, Beethoven, Schubert, Brahms, para citar apenas os mais conhecidos, nasceram em Viena.

Além disso, chama atenção a limpeza asséptica dos espaços públicos, a organização do sistema de transportes, a educação formal dos moradores de uma cidade habituada a receber 12 milhões de turistas por ano. Só pra se ter uma ideia, o Brasil inteiro, em 2014, com Copa do Mundo e tudo, recebeu 6,4 milhões de turistas estrangeiros.

Os que chegam, agora, não são turistas. Não trazem dólares, euro, máquinas fotográficas, nem vão comprar souvenires. Na sua bagagem, medo, fome e desespero.

Pensando em tudo isso, lembrei-me de uma passagem do evangelho de João (João 6,1-13).

A seguir, compartilho com vocês uma leitura contemplativa desta passagem. 

                                              Dividir para multiplicar...                                                                           

Contemplando João 6,1-13 

Jesus subiu a uma montanha de onde podia contemplar a belíssima paisagem do Mar da Galiléia. A multidão que o seguia acomodou-se na grama. Muitos haviam visto ou ouvido falar de como ele pregava e também como curava muitos doentes que o procuravam. Entardecia... Pedro, mal humorado, comentou com André, seu irmão: “Andamos o dia inteiro com essa gente a nos seguir sem parar sequer para comer. Estou morrendo de fome e cansaço”.            

Jesus ouviu o desabafo de Pedro. Olhou mais uma vez aquela multidão à sua volta... deu um suspiro profundo e disse a Filipe, que estava próximo a ele:“Essa gente toda está com fome. Onde vamos arranjar alimento para eles...?” 

Filipe respondeu:  “Nem se juntássemos meio ano de salário não daria para comprar sequer um pedaço de pão para cada um.”

Os apóstolos acenaram a cabeça, concordando. Pedro adiantou-se e disse: “Senhor, mande essa gente voltar para suas casas, lá eles encontrarão comida e descanso”. Tomé acrescentou: “e nós também poderemos comer e descansar em paz”.

Jesus retrucou: “Mas se vocês tem o que comer, dividam com essa gente...” 

 Ele se entreolharam em silêncio. Judas disse: “Mas nós também não temos nada”. 

Judas mentia. Na última aldeia pela qual passaram, ele, que era quem cuidava do dinheiro do grupo, comprara pão, queijo e frutas. Guardara tudo em algumas sacolas que estavam escondidas. Como os outros, imaginava que se abrissem as sacolas ali, diante de todos, não sobraria uma migalha. 

Na verdade, muita gente raciocinava da mesma forma. Eu também. No meu alforje havia um sanduíche de pão com carne de cordeiro, bem guardado, esperando o momento adequado para virar meu jantar. 

Por um instante fez-se um silêncio constrangedor. Então, um rapazinho que estava ao meu lado ergueu-se e foi até André, o irmão de Simão Pedro. Conversaram. André disse a Jesus:

“Mestre, há aqui um rapaz que está oferecendo seu lanche.” E com um sorriso debochado: “São cinco pães de cevada e dois peixes! O que é isso para tanta gente?” 

Jesus chamou o rapaz. Na verdade era quase um menino, um adolescente de seus 13 anos. Ele aproximou-se e sentou-se ao lado de Jesus que, passando o braço sobre seu ombro, fez um afago em seus cabelos dizendo:

“Então, rapaz, é você que vai garantir o nosso jantar?”. O garoto respondeu, mostrando um pequeno cesto: “Só tenho isso, Senhor, mas pode dividir com todos”. 

Jesus pegou o cesto, fechou os olhos e fez uma breve oração. Depois se ergueu, partiu um dos pães, partiu também um peixe, fez um pequeno sanduíche e deu a Judas. Fez o mesmo com Pedro, Tomé, Filipe, João. Foi distribuindo a eles um pedacinho do alimento. Os apóstolos se entreolhavam, constrangidos. Eu e todos em volta, observávamos tudo, surpresos. Logo, Jesus ficou com o cesto vazio. Parou e olhou para nós. Com um sorriso, encolheu os ombros, meio dizendo, meio perguntando:

“Acabou!?”  João gritou: “Judas, onde estão as sacolas?”. Judas, contrariado: “Ali, atrás daquelas árvores...”

João correu e trouxe as sacolas, colocando-as aos pés de Jesus. Ele chamou o garoto e disse: “Você me ajuda a distribuir?” O menino, sorridente, abriu a primeira sacola e ergueu no ar um belo pão de centeio, tostadinho, que logo foi sendo repartido de mão em mão. De repente, toda a multidão se agitou. É que as pessoas que tinham os alimentos guardados, escondidos, começaram a colocá-los na roda, envergonhados ou seduzidos pelos gestos de Jesus e do menino. Logo o alto da montanha tornou-se um imenso pic nic. Todos riam e falavam alto, livres do constrangimento inicial. 

“Tome aqui, Malaquias, uma coxa de frango, deixa provar um pouco do seu vinho! Hum, Sara, esse bolo está uma delícia, experimente aqui da minha farofa!”           

Ao meu lado estava um homem gordo e sorridente, de olho no meu alforje. Com o coração apertado tirei o sanduíche e ofereci um pedaço. Ele apanhou o sanduíche inteiro e agradeceu. Algumas dentadas e lá se foi o meu jantar. Olhei em volta, desolado, e dei com Jesus, bem diante de mim. Ele deu uma gargalhada e me chamou para perto dele. Eu me aproximei, sem graça e ele, fixando seus olhos em mim, me estendeu um pedaço de pão e um copo de vinho. Senti algo diferente, como se naquele olhar ele quisesse, na verdade, alimentar a minha alma e o meu coração.          

 A noite foi chegando, fogueiras foram sendo acesas. Rodas de amigos e famílias inteiras se reuniam, conversando, cantando, batendo papo descontraidamente, numa inesperada e espontânea festa. Jesus disse aos apóstolos: “Recolham toda a comida que sobrou. Que nada se perca. Vamos garantir o lanche da manhã.” Eles passaram entre os grupos e voltaram trazendo alimento suficiente para encher doze grandes cestos.          

 Jesus olhou o menino, sentado ao seu lado, e disse, num sorriso: “É, garoto, que milagre você fez aqui, hoje...!”.

O sorriso menino me fez lembrar o lanche coletivo, na escola infantil. Quando a gente guarda, estoca, acumula, falta; quando a gente compartilha, sobra...          

Eduardo Machado/Outubro de 1997 

 

Comida

Titãs -  Composição: Arnaldo Antunes / Marcelo Fromer / Sérgio Britto 

Bebida é água.

Comida é pasto. 

Você tem sede de que?

Você tem fome de que?

A gente não quer só comida,

A gente quer comida, diversão e arte.

A gente não quer só comida,

A gente quer saída para qualquer parte. 

A gente não quer só comida,

A gente quer bebida, diversão, balé.

A gente não quer só comida,

A gente quer a vida como a vida quer.

Bebida é água.

Comida é pasto.

Você tem sede de que?

Você tem fome de que?

A gente não quer só comer,

A gente quer comer e quer fazer amor.

A gente não quer só comer,

A gente quer prazer pra aliviar a dor.

A gente não quer só dinheiro,

A gente quer dinheiro e felicidade.

A gente não quer só dinheiro,

A gente quer inteiro e não pela metade.