• Banner interno

Para-brincar-com-ascrianas1.jpg

As pessoas, por meio dos bonecos, se livram de suas inibições, pois ficam encobertas pela figura dapersonagem. Os papéis não devem ser impostos nem forçados. A escolha da personagem deve ser livre. 

Fantoche andarilho – prepara uma boneca de pano recheada até a cintura, com a saia aberta atrás. O andarilho pode ser preso à mão por um elástico costurado na cintura. Fazer botas de cartolina, que serão ajustadas aos dedos. Para manejá-los, é só movimentar os dedos médio e indicador, que serão suas pernas, com o elástico preso ao pulso. 

Fantoche de caixinha de papelão – com a caixa fechada, cortar, no sentido de seu comprimento, a figura desejada. Pintar a cara na face mais longa da caixa, dividindo a boca. 

Fantoche de lenço – Com um lenço grande envolve-se a mão. Dar um nó, cuidando para que ele fique para cima. 

Sugestões que podem provocar o riso – ao escrever uma história engraçada é interessante começar por uma história real e depois recheá-la com situações criadas. A história real serve de roteiro básico, depois separamos e criamos situações em que as personagens passam apertos, ficam assustadas e atrapalhadas. Criamos suspense para serem resolvidos no final. Para provocar o riso, prever esquecimentos, enganos, o tom da voz, piadas, embaraços, contradições, sustos, movimentos, desmaios. Fazer gozações com as ações dos políticos, governantes, outros acontecimentos. 

Caracterizar cada personagem – o estabanado, o irrequieto, o dedo-duro, o medroso, o triste, o repressor, o egoísta, o individualista, o autoritário, o teimoso, o chorão, o travesso...

É importante a caracterização física com duplas diferentes, como o gordo e o magro, o alto e o baixo, a dengosa e o machão. Podemos caracterizar os fantoches também: um olho preso a um barbante pode cair quando o boneco enraivece; outro espicha o pescoço, o chapéu ou a cartola quando ri, o que pode ser feito com uma vara interna; uma língua que cai; fumaça que sai dos ouvidos.

A atração que o teatro de bonecos exerce sobre crianças, jovens e adultos é antiga. Os egípcios e os chineses moviam seus bonecos. Façamos da fantasia, uma realidade.

 

Equipe do Catequese Hoje