• Banner interno

DSCN3739.JPG

No artigo anterior, abordamos os principais pontos que compõem um encontro catequético. Aqui vamos entrar nos diversos pontos detalhadamente.

PONTO DE PARTIDA (VER)

Antes de tudo, cuidemos de uma cordial acolhida e de um ambiente alegre e feliz, onde todos se sintam bem, experimentando afeto e atenção. A catequese deve ser a vivência de uma verdadeira comunidade. O catequista procure conhecer cada catequizando. De preferência, faça uma visita à casa de cada um para conhecer melhor seu ambiente, a situação da família... Por isto, o grupo não pode ser muito grande. O ambiente seja aconchegante, ornamentado com flores ou alguns cartazes.

É necessário levar em conta a idade e o desenvolvimento psicológico dos catequizandos para que a mensagem possa ser recebida e assimilada. Não se observe somente a idade, mas também o ambiente de onde vêm. São diferentes os que vêm da classe média, que têm todos os seus desejos satisfeitos, que usam computador e andam com seu celular, frequentam as melhores escolas, dos catequizando mais pobres, a quem falta, muitas vezes, o suficiente para a sobrevivência.

Também faz diferença o fato de os catequizandos pertencerem a uma família religiosa ou a uma família indiferente à religião. Há também catequizandos de famílias desestruturadas ou desarmoniosas.

O catequista tem diante de si uma grande diversidade de situações, que precisa conhecer e levar em conta, quanto possível, na preparação do ponto de partida. Se partirmos da realidade dos catequizandos, eles sentir-se-ão interessados, porque vão refletir sobre algo que lhes diz respeito, algo que os interroga ou angustia. 

Pode-se iniciar o encontro com um acontecimento recente, com uma conversa, usar gravuras que mostrem um problema ou situação vivida. Podem-se fazer dramatizações de certos acontecimentos ou situações, fazer jogos e brincadeiras, partir de uma narração. O importante é que as motivações usadas estejam sempre ligadas à realidade. 

Analisemos os fatos e acontecimentos através do diálogo. Não "monologuemos". Não vamos dar uma "aula", não somos o professor que deve ser ouvido sem comentários. Não. É um refletir juntos. Converse com os catequizandos sobre suas experiências, suas reações, suas perguntas. Procuremos juntos as causas e as consequências dos fatos. Analisemos as atitudes das pessoas envolvidas. Transmitamos a mensagem do Evangelho. Procuremos a visão cristã sobre tudo isto.

Demos atenção também às criticas que os catequizandos fazem, especialmente os adolescentes e os jovens. Devemos escutá-los e não dar-lhes logo uma resposta pronta. Importante é dialogar e valorizar o que dizem.

 

PROCLAMAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS (ILUMINAR) 

A partir do diálogo, segue a leitura da Palavra de Deus, que nunca pode faltar. Dêem atenção a uma boa leitura: pausada, clara, com boa entonação. Não tenham pressa. Não seja uma leitura longa demais. Ninguém consegue prestar atenção, durante muito tempo, em uma leitura.

A mensagem da Palavra de Deus pode ser aprofundada através de certas atividades. É uma interiorização, uma meditação ao alcance do catequizando. A mensagem precisa ser assimilada em profundidade.

Sugestões para a "interiorização" podem ser: desenhos, análise de cantos, ouvir uma música, alguma encenação, grupos de estudo, reflexão sobre uma gravura ou foto, tirando delas uma mensagem etc.

 

ORAÇÃO (CELEBRAR)

Depois de assimilar a mensagem, chega o momento da oração. Reservemos bastante tempo à oração, que deve ser preparada com muita dedicação. "É um momento privilegiado para uma experiência de Deus. É o feliz encontro com Deus. Supera a oração rotineira.

A dimensão orante e celebrativa deve caracterizar a catequese, para que ela não caia na tentação de ser feita de encontros só de estudo e compreensão intelectual da mensagem do Evangelho.

A celebração educa a pessoa e o grupo para a oração e contemplação, para o diálogo filial e amoroso, pessoal e comunitário com o Pai" (cf. DNC n° 157)

Pode-se rezar no início do encontro, mas o momento para uma verdadeira resposta ao apelo de Deus é depois de ter ouvido sua Palavra. Rezar, orar, não é repetição automática de palavras, mas é uma atitude interior que brota da procura do encontro com Deus. Catequista que não sabe rezar terá dificuldade de introduzir seus catequizandos a uma verdadeira atitude de oração.

Não há oração sem o silêncio interior. Há diversos modos de se criar um ambiente de silêncio, que o catequista deve conhecer e saber aplicar. 

Há diversos modos de rezar: oração espontânea, oração escrita, oração com gestos, oração de fórmulas fixas evitando recitação automática, reza de pequenos trechos dos salmos, canto, uma música, e, finalmente, a oração silenciosa. Os catequizandos vão encontrar seu próprio jeito! Também pode-se fazer, de vez em quando, uma celebração com cantos, leituras, símbolos ...

A oração deve estar sempre ligada à mensagem do encontro. A oração e a celebração com símbolos também vão ajudar um maior entendimento e participação litúrgica.

 

COMPROMISSO (AGIR)

Terminando o encontro, pode-se combinar com os catequizandos como colocar em prática o que descobriram no encontro. Como viver melhor sua relação com Deus, sua vivência em comunidade, sua participação na liturgia ... É bom concluir com um único ponto. É bom que os catequizandos participem das atividades da comunidade como, por exemplo, Campanha da Fraternidade, Mês da Bíblia, das Vocações. Podem também planejar certas atividades como prestação de serviço à comunidade, de solidariedade com os mais necessitados.

 

REVER

É necessário que, periodicamente, se faça uma avaliação do caminho percorrido. O grupo de catequistas pode fazer uma análise séria do processo catequético. Os encontros são seriamente preparados? As diversas etapas estão sendo levadas em conta? Nota-se progresso nas atitudes dos catequizandos? Em que devem melhorar?

Desejo a vocês muito dinamismo, dedicação e perseverança na missão tão bonita que lhe foi confiada por Deus através dos apelos da comunidade e dos catequizandos.

 

Inês Broshuis

Membro da Comissão de Catequese do Regional Leste 2 da CNBB