• Banner interno

 

Não vou me adaptar

Nando Reis 

Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia 

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou me adaptar

Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara não é minha
Mas é que quando eu me toquei, achei tão estranho
A minha barba estava desse tamanho 

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou me adaptar
Me adaptar
Não vou me adaptar
Me adaptar 

Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
Eu não encho mais a casa de alegria
Os anos se passaram enquanto eu dormia
E quem eu queria bem me esquecia

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou me adaptar 

Eu não tenho mais a cara que eu tinha
No espelho essa cara não é minha
Mas é que quando eu me toquei, achei tão estranho
A minha barba estava desse tamanho 

Será que eu falei o que ninguém ouvia?
Será que eu escutei o que ninguém dizia?
Eu não vou me adaptar
Me adaptar
Não vou me adaptar
Me adaptar 

Essa música fez enorme sucesso com o grupo Titãs. Hoje dela me lembrei ao pensar que "não tenho mais a cara que eu tinha".

Ela fala da impermanência de tudo. Também do "estranhamento" em relação a esse fato: mudamos o tempo todo.

Daí que a originalidade é não se adaptar a nada, não se enquadrar a nada. Ser sempre outro, sendo o mesmo, sendo original. 

Ótima para a catequese com adolescentes, jovens e adultos em conteúdos sobre ser pessoa humana, a busca da felicidade e outros.

 

Lucimara Trevizan

Equipe do site.

19.09.2019