• Banner interno

 “Só uma coisa te falta: vai, vendo tudo o que tens...” (Mc. 10,21)

28º Dom. Tempo Comum

 

 Curiosa é a apresentação do personagem inicial: alguém se aproxima correndo, apressado... – com a consciência intranquila? E dirige a Jesus uma pergunta repetidamente formulada por pessoas acomodadas:

       - “que devo fazer para ganhar  a vida eterna?”

Jesus já devia estar cansado deste tipo de pergunta, porque sua resposta soa mais como uma recusa:

       - “Tu conheces os mandamentos...”


 O outro não se dá por satisfeito: não rouba, não mata, não mente, honra os seus pais... mas se sente fechado em sua conduta, vive bem e seguro e, no entanto, sente-se vazio. Correr e ajoelhar-se diante de Jesus indicam a urgência de encontrar luzes para esclarecer o sentido de sua existência. No seu entender, Jesus estava em condições de lhe dar a “dica” para “ganhar” a salvação, como uma fórmula mágica. Sem dúvida, o rico esperava de Jesus algum mandamento ainda mais difícil que aqueles que ele praticava. Mas Jesus não acrescenta outros preceitos, mas uma proposta original, algo vital e definitivo. Em vez de segurança nas riquezas, confiança sem limites. Em vez de cumprimento da Lei, entrar no caminho do Seu Seguimento...

       - “Jesus olhou para ele com amor e disse: ‘Uma coisa te falta: vai, vende o que tens, dá aos pobres...”

 

Para Jesus, não basta ser apenas cumpridores de normas, por mais recomendáveis e santas que sejam. A cada um Ele diz o que ainda “falta”. Ele sempre nos pede um passo a mais; a cada resposta dada, nos faz nova proposta. Isto impede a acomodação, a fixação num modo de viver... A vivência dos mandamentos é necessária, mas não basta. Realizar o que está previsto pode ser até fácil e cômodo, mas não há muito mérito nisso; é preciso ser criativos e descobrir caminhos novos, e não apenas cumprir leis e preceitos.

 

Jesus confronta a exigência da Lei com a fé e a abertura aos outros. Normalmente nossa vida baseia-se no perfeccionismo individualista e numa moral voluntarista. Ela nos diz que a norma suprema é a lei e, de acordo com o seu cumprimento, receberemos prêmio ou castigo.

 

A pressa do homem do relato, parece que expressa uma falsa inquietude, uma má consciência, a necessidade de perfeição, de ser melhor ou o melhor que os outros. Em todo caso, ele não está preocupado com a situação dos outros, mas com sua própria situação, com sua vida futura. Quê importa a ele a situação dos camponeses, dos sem-teto, dos doentes... ou dos excluídos com os quais Jesus se preocupa?

 

Jesus o desafia a romper com seu mundo fechado, com seu modo legalista de viver... O desafio consiste em ir além da prática dos mandamentos, radicalizando-a. Como? Vivendo a solidariedade com os pobres e o desapego, numa experiência real da centralidade de Deus em sua vida. E, além disso, dar o passo do discipulado do Reino, no seguimento do próprio Jesus. O desafio feito por Jesus deixa o homem contristado. O apego aos bens torna árido o seu coração, fecha-o no egoísmo, impede que ele se abra na direção de Deus e dos irmãos.

 

Jesus o convoca a ser humano: “despoja-te das leis, do perfeccionismo! Vá ao seu encontro e ao encontro dos outros! Teu afã de perfeição, tua lei e tuas posses estão te impedindo de contemplar-te a ti mesmo como ser humano e descobrir os outros”.

 

Jesus propõe ao rico “descentrar-se”, despojar-se, desnudar-se... para poder encontrar a riqueza que ele tem dentro de si mesmo. Em nenhum momento deste relato foi imposto uma concepção moralista ou imperativa por parte de Jesus: “Tem que ser pobre!”. O que Jesus pede ao homem é superar o seu modo auto-suficiente e fechado de proceder, despojar-se e fazer-se peregrino com Ele, na entrega confiante às mãos providentes do Pai. Para Jesus, entrar em Seu caminho não é algo a fazer, nem uma posse, mas uma relação pessoal (“entrar no Reino”).

 

A palavra “entrar” é uma palavra chave no caminho do seguimento; supõe “deixar” algo, fazer a travessia... Seguir a Jesus significa desvencilhar-nos daquilo que nos prende: riqueza, prestígio, poder, modo legalista de viver... Para “entrar” na vida eterna é preciso, antes, “entrar” no mundo do outro (sobretudo do pobre, do diferen-te, do excluído...). Ou melhor, “entrar” na vida do outro já é “entrar na vida eterna”.

 

O “homem rico” é o nosso espelho: nele nos vemos; nele Jesus nos desafia a sair de nossa acomodação, a romper nossa prática rotineira das leis, do apego aos bens, prestígio, poder... (falsos ídolos que nos desumanizam). À medida que vamos nos vestindo ou acumulando coisas, torna-se mais difícil aproximar-nos uns dos outros, porque a “roupagem” impede que nos toquemos a pele, que nos abracemos... O carro nos faz ignorar aquele que vai a pé; a casa, quanto maior, mais medidas de segurança e isolamento...


Jesus nos convida a experimentar uma maneira nova de viver, fundada no amor solidário, e então teremos cem vezes mais casas, irmãos, filhos, terras.... Ser seu discípulo é investir tudo no Reino.

 olhares.comolhares.com

Jesus “olhou para ele com amor” e viu em seu interior ricas possibilidades, impulsos para algo maior, o desejo do “mais”... Ele também dirige o seu “olhar” para cada um de nós e capta a grandeza e a nobreza presentes no nosso coração. Somos seres de travessia, de largos horizontes... Somos, por natureza, expansivos, em contínuos deslocamentos nas ideias, nos relacionamentos, na maneira de viver... Nós nos humanizamos à medida que nos deixamos mover pelos sonhos, projetos, desejos profundos... Ao mesmo tempo, Jesus, com seu olhar, “lê”, no mais escondido de nosso interior, os mais diferentes medos que minam a força e a coragem do seguimento.

 

Somos, portanto, “habitados” por estes dois grandes dinamismos: desejo e medo. Todos temos, em nosso interior, reservas de riquezas, de criatividade, de sonhos, de intuição... É o mundo dos “desejos” que nos humanizam e nos fazem dar sentido e sabor à vida (sabedoria). No entanto, o medo também está presente: um medo sem nome, um fantasma sem rosto; medo que afeta os corajosos e agride os ousados. Não existe depósito de munição mais potencialmente explosivo do que os estoques de medo guardados nas escuras profundezas do nosso ser.

 

Diferentes medos congelam nossas relações, atormentam nossa vida, quebram nossa serenidade, matam nossos sonhos e intuições, obscurecem o sentido e a direção da vida. Os medos roubam da pessoa sua vitalidade e seu dinamismo; o medo inibe o pensamento, impede a criatividade... Em meio à atmosfera do medo, a imaginação e as energias criativas se atrofiam e a pessoa passa a fazer as coisas de modo medíocre, sem valor, sem brilho...

 

O medo encolhe o ser humano, inibe a decisão e bloqueia os movimentos em direção ao “mais”; seca as fontes da esperança e o enterra na acomodação mesquinha (“ele ficou abatido e foi embora cheio de tristeza”). A tristeza nos avisa, e corremos o risco de não escutá-la. Ela é boa companheira, porque nos revela que há em nós uma aspiração maior, nos indica que estamos nos afastando das fontes da vida, do lugar do coração.

 

Texto bíblico:  Mc. 10,17-30

 

Na oração: Rezar este conhecido “pecado de raiz”, ou seja, medo da própria grandeza e nobreza, medo de ir além de si mesmo, medo de ousar, de arriscar, medo do novo, de mudança, do diferente, de deixar o antigo... É contentar-se com o “inferior”, o “menor”, a “mediocridade”...

Somente a coragem de “deslocar-nos” e “entrar” no caminho criativo do Senhor é que nos humaniza.

E Deus só quer isso de nós: “que sejamos humanos”, como Jesus foi humano.

 

Pe. Adroaldo Palaoro sj

Coordenador do Centro de Espiritualidade Inaciana

08.10.2012