• Banner interno

Tissot 

*Celebração para vivência do Tríduo Pascal*

MOMENTO: O PÃO DO CÉU SE FEZ PÃO DOS HOMENS

Material e ambientação: sala em círculo. Pão grande redondo. Panos coloridos. Flores. Bíblia. Vela ornamental. Pedra. Vaso de flores. Coração.

Refrão meditativo: “O Pão da vida, a comunhão, nos une a Cristo e aos irmãos. E nos ensina a abrir as mãos para partir, repartir o pão. E nos ensina a abrir as mãos para partir, repartir o pão”. (Enquanto se canta, entronizar o pão, colocando-o em local devidamente ornado com flores e panos coloridos, no centro da sala).

Iluminando com a Palavra de Deus

a) Canto de escuta: Guarda a Palavra, guarda-a no coração. Que ela entre em tua alma, e penetre os sentimentos! Busca, noite e dia, a luz, o amor de Deus:se guardares a Palavra, ela te guardará! (bis).

b) Proclamação: Jo 6, 1-13.35-40

c) Silêncio. Meditação. Partilha.

Recordação da vida:

a) Memória: convidar cada participante a recordar situações em que experiências de solidariedade, amor ao próximo, socorro aos necessitados, partilha da palavra com alguém em situação extremada de desespero, etc., trouxeram alegrias e bons resultados.

b) Partilha dois a dois

c) Partilha em grupo: pedir a quem puder partilhar sua experiência que se dirija ao pão no centro da sala, pegue um pedaço, fale de suas memórias e coma o pedaço de pão. Cantar, de vez em quando, o mesmo refrão meditativo do início.

d) Canto A ti, meu Deus, elevo meu coração, elevo as minhas mãos, meu olhar, minha voz. A ti, meu Deus, eu quero oferecer meus passos e meu viver, meus caminhos, meu sofrer. 
A tua ternura Senhor vem me abraçar. E a tua bondade infinita me perdoar. Vou ser o teu seguidor e te dar o meu coração. Eu quero sentir o calor de tuas mãos.

Louvores

Animador: o pão do céu fez-se pão dos homens! Deus, que um dia fez-se carne para ficar mais perto de nós, pela eucaristia, nos sinais do pão e do vinho, também nos garantiu sua presença e sua vida. Elevemos a Jesus Cristo nossos louvores e gratidão pelo dom da eucaristia.

Todos (cantando): “Vós sois o caminho, a verdade e a vida, o Pão da alegria descido do céu!”.

Leitor 1: A eucaristia é vida! Senhor, nós vos louvamos pela vida a nós doada, e vos pedimos que nos ajudeis a defender e construir a vida onde quer que estejamos (entra uma bonita vela acesa, a ser colocada ao redor do pão).

Todos (cantando): “Vós sois o caminho, a verdade e a vida, o Pão da alegria descido do céu!”

Leitor 2: A eucaristia é força! Senhor, nós vos louvamos e vos bendizemos porque nos sustentais com vossa palavra e com vosso corpo e sangue, e vos suplicamos: fortalecei nossa caminhada, para que sejamos firmes e corajosos no testemunho do vosso reino (entra uma pedra, a ser colocada ao redor do pão).

Todos (cantando): “Vós sois o caminho, a verdade e a vida, o Pão da alegria descido do céu!”.

Leitor 3: A eucaristia é amor! Senhor, nós vos rendemos graças por vosso amor extremado, provado na entrega da própria vida pela salvação de todos! Nós vos pedimos a vossa graça, para que amemos a todos, especialmente os empobrecidos e os que não têm o amor de outras pessoas (entra um coração, a ser colocado ao redor do pão).

Todos (cantando): “Vós sois o caminho, a verdade e a vida, o Pão da alegria descido do céu!”.

Leitor 4: A eucaristia é alegria! Senhor, vós nos ensinastes que não pode haver alegria para todos, se não houver justiça, fraternidade e paz. Nós vos louvamos porque sois a razão maior de nossa alegria, e vos pedimos: fazei que sejamos geradores da alegria e da paz aos nossos irmãos, no empenho por um mundo justo e solidário (entra um bonito vaso de flores, a ser colocado ao redor do pão).

Todos (cantando): “Vós sois o caminho, a verdade e a vida, o Pão da alegria descido do céu!”.

(outros louvores podem ser inseridos, de acordo com a realidade do grupo).

Oração: “Senhor Jesus Cristo, no admirável sacramento da Eucaristia vós nos destes o memorial da vossa paixão, morte e ressurreição. Dai a todos nós, que celebramos tão grande mistério, colher os frutos da redenção em nosso dia a dia. Por Cristo Senhor nosso. Amém!”.

Canto: Pão em todas as mesas

A mesa tão grande e vazia de amor e de paz! De paz! Aonde há o luxo de alguns, alegria não há, jamais! A mesa da Eucaristia nos quer ensinar, que a ordem de Deus, nosso Pai, é o pão partilhar!

Refr.: Pão em todas as mesas. Da Páscoa, nova certeza : a festa haverá, e o povo a cantar, Aleluia .

As forças da morte: a injustiça e a ganância de ter - de ter, agindo naqueles que impedem ao pobre viver – viver. Sem terra, trabalho e comida, a vida não há, - não há. Quem deixa assim, e não age, a festa não vai celebrar.

MOMENTO: OLHARÃO PARA AQUELE QUE TRANSPASSARAM

Material e ambientação: todos em círculo. Sala na penumbra. Pano roxo estendido no chão. Sobre o pano, num plano mais elevado, um crucifixo grande, transpassado por uma faixa branca. Círio e flores. Velas para todos. O presidente da celebração não precisa ser necessariamente sacerdote, caso não haja confissão sacramental.

1. Mantra: Tudo por causa de grande amor! Tudo por causa de grande amor! Tudo, tudo por causa de um grande amor! Por causa de um grande amor!

2. Recordação da vida: convidar os participantes a tocarem na cruz e, emprestando sua voz à voz de algum sofredor, empaticamente apresentar em alta voz seu clamor (por exemplo, alguém se lembra de uma mãe que sofre com o filho nas drogas e diz: “Senhor, tem pena de mim e de meu filho viciado”). A cada três clamores, cantar: “Pai, em tuas mãos entrego o meu Espírito!”.

3. Iluminação bíblica

• Canto: “Palavra de salvação somente o céu tem pra dar. Por isso meu coração se abre para escutar, se abre para escutar” (bis).

• Proclamação: Jo 19,28-37

• Silêncio. Meditação. Partilha

Mostrar a cruz de Jesus não como castigo que os homens lhe impuseram, nem como uma imposição do Pai a Jesus, mas como de fato ela é: consequência das escolhas conscientes de Jesus e de seu amor pelos pequeninos, pecadores e excluídos. Falar da cruz como prova de amor, e situar o pecado como fechamento do coração ao amor de Deus, o que leva à ruptura com os irmãos e com o próprio Senhor.

4. Rito do Exorcismo

a) Motivação: o presidente da celebração motiva cada participante a reconhecer sua condição de pecador e o quanto seus pecados continuam impondo a cruz e o sofrimento a Jesus. Um bom exame de consciência pode ser proposto, ajudando cada participante a ter mais clareza quanto à abrangência e extensão de seus pecados. Níveis pessoal, comunitário, social, etc.

b) Confissão dos pecados (quando se tratar da celebração sacramental da reconciliação, aqui é o momento adequado para as confissões particulares [penitente-sacerdote]. Se não houver, seguir a celebração normalmente ).

(Todos ajoelhados, rezam): Jesus, que por amor deste a vida para nos salvar e, desse modo, revelaste de modo pleno o amor de Deus por cada um de nós: tem compaixão de mim, pecador(a)! Quero amar do mesmo modo que tu nos amas, mas sei que sou fraco(a) e nem sempre consigo viver em sintonia com teu projeto. Reconheço minha condição de pecador(a). Conto com teu perdão e tua graça, para transformar meu coração e ser um(a) cristão (ã) melhor. Amém!

c) Oração de exorcismo: “Deus e Pai das luzes, pela morte e ressurreição de vosso Cristo expulsastes as trevas do ódio e da mentira, e fizestes jorrar sobre a família humana a luz da verdade e do amor, concedei aos que escolhestes e chamastes ao convívio dos filhos da vossa adoção, passarem da escuridão à claridade e, libertados de todo mal, serem filhos da luz para sempre. Amém”! (Rica, n. 171. Adaptação).

5. Canto: 
• Seu nome é Jesus Cristo e passa fome e grita pela boca dos famintos e a gente, quando vê, passa adiante, às vezes, pra chegar depressa à Igreja. Seu nome é Jesus Cristo e está sem casa e dorme pela beira das calçadas; e a gente, quando vê, aperta o passo e diz, que ele dormiu embriagado.

Entre nós está e não o conhecemos. Entre nós está e nós o desprezamos. (Bis)

• Seu nome é Jesus Cristo e é analfabeto e vive mendigando um subemprego, a gente, quando vê, diz: “é um à-toa!” melhor que trabalhasse e não pedisse. Seu nome é Jesus Cristo e está banido, das rodas sociais e das Igrejas, porque dele fizeram um Rei potente, enquanto que ele vive como pobre.

MOMENTO: A VIDA NOVA EM CRISTO

Material e ambientação: pia batismal (ou bacia com água), Bíblia, cópia do Credo Niceno-constantinopolitano para cada participante, velas para todos, círio pascal, flores.

1. Refrão orante: “Banhados em Cristo, somos uma nova criatura! As coisas antigas já se passaram, somos nascidos de novo! Aleluia! Aleluia! Aleluia!”.

2. Na fonte salvadora: motivar o grupo a se reunir ao redor da pia batismal (bacia com água) para fazer memória de acontecimentos da vida ligados ao significado da água no batismo: dar a vida, purificar, morrer, gerar, transformar... (Depois de algumas expressões do grupo, repetir o mantra: “Banhados em Cristo”).

3. ORAÇÃO SOBRE A ÁGUA: “Senhor da vida, cujo Espírito pairava sobre as águas, desde o início da criação, nós vos pedimos: enviai vossa bênção sobre esta água. Seja ela para nós um sinal do vosso amor que tudo purifica e renova. E que, ao fazermos memória do nosso batismo, recordemos o vosso chamado a sermos, no mundo, testemunhas da vossa luz. Pelo Cristo Ressuscitado, vosso Filho e Senhor nosso. Amém!”.

4. PROCLAMAÇÃO DA PALAVRA

a) Canto de Escuta: “Deixa-me ficar em paz, Senhor, para ouvir (meditar, viver) tua Palavra. No coração do meu silêncio, deixa-me ficar em paz!”.

b) Proclamação: Rm 6, 3-11

c) Silêncio. Meditação. Partilha

5. ENTREGA DO CREIO (entregar a cópia do Credo Niceno-constantinopolitano para cada participante).

a) Convite: Queridos(as) eleitos(as) de Deus, queiram aproximar-se para recitar as palavras da fé que lhes foram entregues no dia do batismo e vocês procuraram guardar com pureza de coração. Elas são o símbolo, isto é, o resumo de nossa fé. São poucas palavras, mas contêm grandes mistérios (cf. Rica, n. 198).

b) Entrega do Creio: em procissão, todos se aproximam para receber uma cópia do Símbolo. Durante a entrega, cantar:

Sim, eu quero que a luz de Deus, que um dia em mim brilhou,/ jamais se esconda e não se apague em mim o seu fulgor./ Sim, eu quero que o meu amor ajude o meu irmão/ a caminhar, guiado por tua mão, / em tua Lei, em tua luz, Senhor! (bis)

Esta vida nova, comunhão com Deus,/ no Batismo aquele dia eu recebi./ Vai aumentando e sempre vai me transformando,/ até que Cristo seja todo o meu viver.

Quando eu sou um sol a transmitir a luz,/ e meu ser é templo onde habita Deus./ Todo o céu está presente dentro em mim/, envolvendo-me na vida e no calor.

c) Oração: “Concedei, Senhor, que estes vossos filhos, tendo acolhido o vosso plano de amor e os mistérios da vida de vosso Cristo, possam sempre proclamá-los com palavras e vivê-los pela fé, cumprindo em ações a vossa vontade. Por Cristo nosso Senhor. Amém!” (Rica, n.197)

d) Recitação do Símbolo: Todos recitam o Creio.

6. ASSINALAÇÃO DA CRUZ COM ÁGUA ABENÇOADA: todos são convidados a passar pela água abençoada, tocar nela e traçar na própria fronte o sinal da cruz (conservar fundo musical).

7. RITO DA LUZ

a) Acolhida do círio: Minha luz é Jesus! E Jesus me conduz pelos caminhos da paz!

b) Motivação: motivar o grupo a fazer preces espontâneas ligadas aos efeitos do “fogo” na vida cristã: iluminar, queimar, aquecer, purificar, destruir, impulsionar...

c) Oração da luz (Pedir que todos se ajoelhem durante a oração): “Ó Deus, que em Cristo nos tornastes luz do mundo, fazei que caminhemos sempre como filhos da luz para que, perseverando na fé, possamos ir ao encontro do Senhor com todos os santos no reino celeste. Amém!” (Rica, n. 226. Adaptação).

d) Caminhada com o círio à frente até a saída da sala: o círio pode ser levado em procissão por alguém, passando por cada participante. Durante sua passagem, todos acendem suas velas, cantando: “Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser, permanece em nós!”.

8. RESSUSCITOU COMO DISSE!

a) Canto de escuta: É uma luz tua Palavra, é uma luz pra mim, Senhor! Brilhe esta luz, tua Palavra, brilhe esta luz em mim, Senhor!

b) Proclamação do Evangelho: Jo 20,1-11

c) Canto: Sequência Pascal:

• Cantai, cristãos, afinal: “Salve, ó vítima Pascal”
Todos: Cordeiro inocente, o Cristo abriu-nos do Pai o aprisco!
• Por toda ovelha imolado, do mundo lava o pecado
Todos: Duelem forte e mais forte: é a vida que enfrenta a morte!
• O Rei da vida, cativo, é morto, mas reina vivo
Todos: Responde, pois ó Maria: no teu caminho o que havia?
• "Vi Cristo ressuscitado, o túmulo abandonado
Todos: Os anjos da cor do sol, dobrado ao chão o lençol"
• O Cristo, que eleva aos céus, caminha à frente dos seus!
Todos: Ressuscitou de verdade. Ó Rei, ó Cristo, piedade!

d) Votos pascais: o primeiro participante passa uma flor para quem está a seu lado, fazendo-lhe um voto pascal, como por exemplo: “Que a Páscoa lhe traga muitas alegrias!”. Ao final, todos de mãos dadas cantam: Ressuscitou como disse! Ressuscitou como disse! Ressuscitou, aleluia! Aleluia! Aleluia!

9. Despedida: Pres.: Deus da luz vos torne reflexos do seu amor e da sua bondade no meio do mundo carente do vosso testemunho cristão!
Todos: Amém!

Pres.: Cristo, Luz do mundo, que, pela sua Páscoa vos fez novas criaturas, vos dê a graça de permanecer fiéis no seu seguimento.
Todos: Amém!

Pres.: O Espírito Santo vos inunde com a luz de seus dons para que sejais capazes de dissipar toda a treva com vossas atitudes e compromisso cristão.
Todos: Amém!

Pres.: Abençoe-nos Deus todo-poderoso: Pai, Filho e Espírito Santo! Amém!

Pe. Vanildo de Paiva

Psicólogo, especialista em catequese e liturgia.